Adesão à greve da SATA com adesão a 32% ou a 100%?

A adesão à greve na SATA convocada pelo SINTAC foi de 100% no primeiro dia, segundo o sindicato, mas não ultrapassou os 32%, segundo a empresa.

 

O dirigente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC) Filipe Rocha disse à Lusa que a adesão à paralisação, que começou à meia-noite de hoje, foi de 100%, provocando "atrasos generalizados em todos os serviços".

Os associados do SINTAC pertencem ao pessoal de terra da transportadora aérea dos Açores, garantindo Filipe Rocha que houve atrasos nos voos de entre 30 minutos e uma hora, associados a atrasos de serviços como a entrega de bagagens ou o carregamento dos aviões nos aeroportos do arquipélago.

O dirigente sindical acrescentou que a empresa "tem recorrido a trabalho temporário para substituir os grevistas" e isso minimiza o impacto da paralisação.

A greve estende-se até 28 de Junho e o SINTAC prevê que a adesão se mantenha nos 100%.

Já o porta-voz da SATA, Luís Filipe Cabral, garantiu que no turno da tarde só houve adesão à greve na ilha Terceira, tal como já tinha acontecido até ao meio-dia, e que se ficou pelos 31,5% (de manhã a adesão tinha sido, segundo a empresa, de 32%).

Todos os 40 voos previstos para hoje se realizaram, acrescentou, "e apenas cinco tiveram atrasos" que foram, em média, de meia hora, assegurou.

Na origem desta greve está um acordo assinado entre a administração da SATA e a plataforma de sindicatos da empresa em 2013, que visou compensar os trabalhadores da companhia aérea regional pelos cortes salariais do Orçamento do Estado, em troco de maior produtividade.

Os associados do SINTAC - que quando o acordo foi assinado não integrava a plataforma sindical - rejeitaram, porém, o entendimento, que consideram ilegal, e reivindicam a aplicação na SATA do mesmo entendimento assinado na TAP.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade