Eclipse da Lua desta sexta-feira terá um fenómeno

Eclipse da Lua desta sexta-feira terá um fenómeno
Mike Blake/Reuters

A Lua vai estar dia 27 de Julho 'mergulhada' na sombra da Terra, mas Portugal apenas vai ver o fenómeno a meio uma vez que a Lua nasce numa altura em que já está a decorrer a totalidade do eclipse.

 

Durante o eclipse, a Lua terá uma tonalidade vermelha nalguns pontos em resultado da luz projectada pelo Sol. O eclipse lunar total, que terá uma duração de cerca de uma hora e 45 minutos, será visível a partir da Austrália, Antártida, Ásia, África, Médio Oriente, Europa, América do Sul, sul do Oceano Pacífico, oceano Índico e oceano Atlântico.

Em Portugal, a Lua nasce às 20:47 e o meio do eclipse acontece às 21:22. O pôr-do-sol ocorre às 20:52.

Para o eclipse ser observável, o céu tem de estar limpo e a linha de horizonte, a nascente, desimpedida, sem árvores ou prédios, disse à Lusa o director do Observatório Astronómico de Lisboa, Rui Agostinho.

Por definição, o eclipse total da Lua é um fenómeno que ocorre quando a Terra se encontra entre o Sol e a Lua, "de forma a projectar a sua sombra na Lua, e a Lua atravessa completamente a sombra da Terra".

No eclipse, Sol, Terra e Lua ficarão alinhados, e o nosso planeta bloqueará a passagem dos raios solares até ao satélite. A forma como as cores são "desviadas" ao passar pela atmosfera e a posição dos astros criarão o tom vermelho.

Para entender este eclipse lunar é importante saber como os raios solares se comportam na atmosfera. A luz solar é a soma de todas as cores. Quando essa luz chega na camada de ar da Terra, cada cor espalha-se de uma forma diferente.

Em regra, ocorrem dois eclipses do Sol e da Lua por ano. Em 2018, houve um primeiro eclipse total da Lua em 31 de Janeiro, mas não foi visível na Europa Ocidental. O de sexta-feira é o maior até 2100 em termos de duração, segundo Rui Agostinho à Lusa.

O Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço promove uma sessão de observação no terraço do Teatro Romano, em Lisboa.

Mostramos algumas imagens explicativas do fenómeno astrofísico da NASA e da Sociedade Astronómica Brasileira.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade