Bragança propõe seis sugestões de visita ao seu território neste Inverno

Pintado de tons quentes numa terra fria, Bragança é um dos maiores concelhos do país e um destino que merece ser visitado.



O inverno é rico em festas e tradições e são muitas as propostas de actividades culturais e de lazer.
Com a chegada do solstício de Inverno, há paisagens soberbas, mascarados que enchem as ruas das aldeias de cor e uma gastronomia ímpar à espera de quem o visite.

Se quiser viajar para lá do Marão pode explorar o Parque Natural de Montesinho e quem sabe observar os veados


Poucos espaços possuem “uma biodiversidade tão rica como o Parque Natural de Montesinho, situado às portas de Bragança.” Observar um grupo de veados junto à estrada, escutar o uivar de um lobo, observar por exemplo uma águia-real, enquanto se desfruta de “um fabuloso mosaico de paisagens é, sem dúvida, um privilégio”.

Se gosta de explorar o meio circundante, há inúmeros trilhos para passeios a pé ou para a prática de BTT em cenários de grande beleza. E com as temperaturas mais baixas, “a região pinta-se de branco e percorrer estas paisagens dignas de um postal, é mágico.”


Mas se é amante de Arte deve visitar o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais (CACGM), um projecto arquitectónico da autoria de Souto de Moura (Prémio Pritzker, em 2011).
Com exposições temporárias dos mais reconhecidos artistas nacionais e estrangeiros dos nossos dias e de grandes colecções de arte contemporânea, este espaço possui, ainda, um núcleo de sete salas dedicadas à obra da pintora transmontana Graça Morais, num programa expositivo frequentemente renovado.

Até 25 de Fevereiro de 2018, está patente a exposição “Uma Antologia”, de Ana Vieira (Coimbra, 1940 - Lisboa, 2016).

Na sua obra, a casa assume o lugar de projecção de tensões e conflitos entre a identidade e a memória. É, em grande medida, o elemento integrador do pensamento e o ponto de partida da sua criação - que privilegia inesperadas construções cénicas e teatrais e a manipulação de figuras, objectos e ambientes.

A não perder, de terça-feira a domingo, das 10:00 às 18:00, na Rua Abílio Beça, 105. Aos domingos a entrada é gratuita (até às 12:30).


E enquanto passeia e descansa pode e deve degustar a rica e variada gastronomia transmontana

O Butelo com Casulas é um excelente embaixador e uma iguaria de destaque da região. 
De 02 a 13 de Fevereiro de 2018, realiza-se a Semana Gastronómica do Butelo e das Casulas e, de 02 a 04 de Fevereiro de 2018, o Festival do Butelo e das Casulas.
Espera-se animação de rua com caretos e gaiteiros, um espaço de animação para crianças, demonstração de confecção em pote e de produção artesanal de butelo. A visita ao certame vai permitir conhecer os produtores de butelo, casulas e fumeiro e os expositores de artesanato, produtos da terra.

E com a festa dos Butelo e das Casulas chega o carnaval que pela sua tradição é único em todo o país.

No dia 10 de Fevereiro, as principais ruas da cidade enchem-se de colorido, de música e de animação. Os caretos saem às ruas com um único intuito: assustar as raparigas solteiras e dançar ao som de músicas tradicionais. Mais de 1.000 Caretos de Portugal e de Espanha vão “tomar de assalto” Bragança, a que se juntam grupos de mascarados e de gaiteiros e centenas de crianças das escolas do Concelho de Bragança, trajadas a rigor. No final, há a “Queima do Diabo”, uma actividade onde todos podem participar.


E talvez para melhor compreender esta tradição visite a Exposição “Máscaras Rituais de Portugal”

A par das Festas de Inverno que se celebram na região, o Centro Cultural Municipal Adriano Moreira acolhe, até dia 28 de Janeiro, a exposição “Máscaras Rituais de Portugal” de Roberto Afonso.

Para quem gosta de conhecer melhor as tradições de cada destino, esta exposição apresenta uma colecção de dezenas de máscaras produzidas por diversos artesãos e que representam variadas festas/rituais associadas ao solstício de inverno, em particular na região.

Horário: segunda - sexta -feira das 09:00 às 12:30 e das 14:00 às 17:30. Entrada gratuita.

São sugestões para conhecer ou melhor conhecer gentes e terras que ficam para lá do Marão.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

 

Atualidade