Orquestra Sinfónica Portuguesa abre digressão nacional no Olga Cadaval em Sintra

sexta, 22 setembro 2017 14:07 Escrito por 
Orquestra Sinfónica Portuguesa abre digressão nacional no Olga Cadaval em Sintra D.R.

A Orquestra Sinfónica Portuguesa vai estar a 28 de Setembro no Centro Cultural Olga Cadaval, apresentando um programa composto por obras de Dukas, Debussy, Ravel e Mussorgski, direcção musical de Emil Tabakov e com António Rosado como solista convidado.

O primeiro de uma série de concertos que a Orquestra Sinfónica Portuguesa interpreta fora de Lisboa ao longo da temporada 2017-18, inclui três peças emblemáticas do reportório francês e uma peça popular russa de música descritiva.


É sem dúvida um programa de grande interesse musical, que contará com o pianista português António Rosado - de quem a revista francesa Diapason afirmou ser um "intérprete que domina o que faz. Tem tanto de emoção e de poesia, como de cor e de bom gosto" -, como solista do Concerto para piano em Sol maior, de Ravel. Na direcção musical, é de registar o regresso do maestro Emil Tabakov.


Paul Dukas (1865 -1935): La Péri: fanfare

A última obra cuja publicação Dukas permitiu, foi o sumptuoso bailado oriental em um acto La Péri, encomendado originalmente por Diaghilev para os seus Ballets Russes, que estreou em Paris, em abril de 1912. O argumento descreve a viagem de Iskender (Alexandre, o Grande) em busca da flor de lótus da imortalidade até se deparar com a sua guardiã, a fada Péri, criatura fantástica da mitologia persa


Claude Debussy (1862-1918): Prélude à “L’après-midi d’un faune”

Inspirado pelo poema L’après-midi d’un faune, de Stéphane Mallarmé, Debussy empreendeu a composição de uma obra orquestral que inicialmente previa três partes (Prélude, Interlude e Paraphrase finale), mas que acabaria por concretizar num único andamento.


Maurice Ravel (1875 -1937): Concerto para piano em Sol maior

Entre 1928 e 1931, Ravel compôs o seu Concerto para piano em Sol maior, uma obra em que está patente a influência do ritmo e das harmonias do jazz então populares em Paris, para além de referências como as de Mozart, Saint-Saëns, Gershwin e Stravinsky.


Modest Mussorgski (1839 -1881) [Orquestração Maurice Ravel (1875 -1937)]: Quadros de uma exposição

Os Quadros de uma exposição foram originalmente compostos em 1874 como uma suite para piano em memória do falecido artista Victor Hartmann, procurando descrever a experiência da visita a uma exposição de quadros seus. A obra viria a tornar-se popular sobretudo na versão orquestral de Ravel, elaborada em 1922, notável pela sua brilhante exploração de uma vasta paleta de efeitos instrumentais.


António Rosado, o pianista convidado, tem uma carreira reconhecida nacional e internacionalmente, devido ao seu talento e gosto pela diversidade, expressos num extenso reportório pianístico a solo, em música de câmara e com orquestra.

Estudou no Conservatório Nacional de Música de Lisboa, partindo aos dezasseis anos para Paris onde foi discípulo de Aldo Ciccolini no Conservatório Superior de Música e nos Cursos de Aperfeiçoamento em Siena e Biella (Itália).

A sua versatilidade permitiu-lhe apresentar, pela primeira vez em Portugal, destacadas obras como as Sonatas de Enescu ou Paráfrases de Liszt, sendo também o primeiro pianista português a realizar as integrais dos Prelúdios e Estudos de Debussy.
A sua discografia contempla ainda obras marcantes do repertório para piano de Debussy, Enescu, Vianna da Motta, Liszt, Schumann, Brahms, Mozart, Rachmaninov, Fernando Lopes-Graça, Armando José Fernandes e Luís de Freitas Branco. Laureado pela Academia Internacional Maurice Ravel e pela Academia Internacional Perosi, António Rosado foi ainda distinguido pelo Concurso Internacional Vianna da Motta e pelo Concurso Internacional Alfredo Casella de Nápoles. Em 2007, o Governo Francês concedeu-lhe o grau de Chevalier des Arts et des Lettres.


Emil Tabakov, na Direcção Musical

Mundialmente reconhecido como maestro, tem sido convidado a dirigir em todo o mundo. A sua discografia inclui todas as Sinfonias de Mahler em 15 CD, a integral das Sinfonias de Brahms, Aberturas, Um Requiem Alemão, Sinfonia Alpina de Richard Strauss, Scheherezade de Rimsky-Korsakov, as Sinfonias de Scriabine, a integral dos concertos para piano de Beethoven, o Concerto para Orquestra de Bartok, The Miraculous Mandarin, Requiem de Verdi e excertos de óperas, bem como peças para as etiquetas Balkanton (Bulgária), Elan (Estados Unidos da América), Capriccio Delta (Alemanha), Mega-Music (Bulgária), Pentagon (Holanda), Gega-New (Bulgária) e EMI. Foi galardoado com “Músico do Ano”, atribuído pela Rádio National Búlgara, em 1992, e com o “Crystal Lyre” pela União de Músicos da Bulgária, em 2009. Foi nomeado “Homem do Ano”, em 1992, pelo Centro Bibliográfico Internacional de Cambridge. Em 2012, foi classificado pelo Centro Biográfico Internacional do Reino Unido como um dos 100 melhores maestros.