A exposição "Roménia Nobre e Real" chega ao Redondo levada pelo Instituto Cultural Romeno

No dia 11 de Março, o Instituto Cultural Romeno em Lisboa inaugura no Museu Regional do Vinho, a exposição de fotografia "Roménia Nobre e Real".


A exposição, da autoria de José Luis Jorge, é organizada em colaboração com a Câmara Municipal de Redondo e integra o festival anual Saberes e Sabores de Outras Gentes.


A exposição tem por objectivo, tal como todos os eventos organizados em 2018 pelo Instituto Cultural Romeno, celebrar o Centenário da Grande União da Roménia, bem como os vínculos muito estreitos que ligaram as famílias reais de Portugal e da Roména: a rainha Dona Estefânia de Portugal, esposa do rei D. Pedro V, era irmã do rei Carol I da Roménia, enquanto o irmão mais velho do rei Carol, o príncipe herdeiro Leopoldo, foi casado com a irmã do rei D. Pedro V, Dona Antónia de Bragança, sendo estes pais do rei Fernando da Roménia.

A exposição integra 40 fotografias das residências da família real romena, verdadeiras joias da arquitectura romena: Palácio Real de Bucareste (hoje em dia o Museu Nacional de Arte da Roménia), Palácio Elisabeta (Bucareste), Palácio de Cotroceni (Bucareste), Palácio de Peleş e Palácio de Pelişor (Sinaia), Castelo de Bran (distrito de Braşov), villa do Grande Voivoda Miguel (Eforie Nord), villa da Rainha Maria (Mamaia, distrito de Constanţa), Palácio da Rainha Maria (Balčik — hoje em dia na Bulgária). Alguns destes edifícios são obras de conhecidos arquitectos, tais como Paul Gottereau, Karel Liman, Duiliu Marcu e Horia Creangă.


O autor da exposição, o fotógrafo José Luís Jorge, partiu para esta aventura durante o mês de Agosto de 2017, a convite do Instituto Cultural Romeno tendo descoberto monumentos que encerram um especial atractivo estético, em lugares privilegiados e com uma forte carga simbólica. Apesar da maioria dos palácios se apresentarem como novidade para o autor da exposição, a temática não lhe era de todo desconhecida pois lera, há anos, um dos "Diários" do grande viajante português do século XX, Fernando Lara Reis, o qual, vindo de Macau a caminho para Portugal, em 1932, passou pela Roménia. Quis o destino que Fernando Lara Reis encontrasse a rainha Maria da Roménia numa exposição de "arte fotográfica", tendo sido, ulteriormente, convidado pela rainha para a sua residência de Cotroceni. Mais tarde, Lara Reis escreveu no seu Diário: "Realizava o meu desejo: ver a mais bela rainha de todos os tempos."

A exposição estará patente até dia 31 de Março de 2018 sendo visitavel de terça-feira a domingo entre 10:00-13:00 e entre 14:00-18:00.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade