Com-Tradição lançam disco com raizes na música portuguesa e sonoridades do mundo

"Quando o tempo se quer pousar" dos Com-tradição é um disco e música portuguesa mas aberta ao mundo e nela integrando outras sonoridades, do jazz à bossa-nova, da chanson à música árabe e indiana.

Uma música que olha para Portugal ao mesmo tempo de perto e de longe, com a proximidade de quem ama o seu povo e as suas gentes mas com o distanciamento crítico que deve ser feito é o que podemos ouvir neste trabalho que passa por temas tradicionais portugueses mas onde a grande novidade está na interpretação e na orquestração dos temas.


Rui Salgado, músico, cantor, compositor e letrista portuense que terminou o curso de jazz, especializando-se em contrabaixo, na Escola Superior de Música do Porto é o pai e principal responsável por este projecto de um grupo franco-belga.


Neste disco passamos pelo Fado, pela música tradicional portuguesa e pelo Folclore. "Ouça lá ó Sr.Vinho" é um Fado que peca por uma excessiva sensibilidade interpretativa. Muito mecanizado, pouco natural e diferente, e para pior, da versão original.


"Gaivota" é outro tema em que falta uma transmissão genuína da intensidade da letra e da sua interpretação original. "Barco Negro" tem sonoridade indiana, o que dá um excessivo espaço para a voz de Nicole Cangueiro que não tem capacidade para essa ocupação de espaço. É uma voz que precisa de ter um bom suporte instrumental por trás.


"Folclores das Raízes" leva-nos ao Brasil, mais propriamente ao género musical, baião. Mistura a tradição portuguesa com influencias do mundo.


Nos restantes temas o ambiente tranquilo e voz aguda de Nicole acabam por ser a nota dominante, num disco pouco potenciado, onde a sua maior força está na tentativa de valorização da musica portuguesa.


Um disco que pode ser um ponto de partida para um projecto diferente e com qualidade mas com muito ainda por limar.

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade