Pedro Cabeleira recebeu prémio em Locarno, com Verão Danado

domingo, 13 agosto 2017 09:15 Escrito por 

O filme "Verão Danado", de Pedro Cabeleira, recebeu uma menção especial, na secção Cineasti del Presenti do Festival de Locarno.

O júri do Festival de Cinema de Locarno justificou esta menção pela “mise em scène que celebra a experiência de uma longa, longa noite” desta primeira longa-metragem do realizador.

O filme, uma produção OPTEC e produção associada VIDEOLOTION, teve estreia mundial em Locarno.

Na altura de receber o prémio, o realizador Pedro Cabeleira, desabafou que "foram três anos de muito trabalho, muitas mãos" e "de dezenas de actores e da equipa para agradecer".

Foi no Verão de 2013 que se começou a formar a ideia de "Verão Danado". O comum dos realizador é começarem a filmar curtas-metragens e depois passarem para as longas, no entanto Pedro Cabeleira escolheu estrear-se com uma longa.

Segundo o realizador contou ao Sol “tinha acabado de sair da escola e queria fazer um filme. Não uma coisa que me desse credibilidade como realizador, mas algo que me permitisse dizer, se daqui a uns anos estivesse a fazer outra coisa qualquer, que pelo menos tinha feito um filme”.

Pedro Bandeira quis provar a si próprio que podia filmar e explicou que “havia essa coisa de querer ficar tranquilo comigo mesmo, pensar que se calhar daí a quatro anos podia até ter que voltar para o Entroncamento [onde nasceu] ou estar a trabalhar num café, mas que pelo menos tinha feito um filme”.

No entanto pretendia começar pelo mais dificil e desafiante, uma longa. “São formatos diferentes. Sinto que a curta é um formato que não consigo desenhar tão bem, por isso não me interessava tanto”, explicou o realizador.

O ter acabado de sair da Escola Superior de Teatro e Cinema fez com que sentisse confiança “que naquela altura ia conseguir o mínimo de condições para fazer um filme pela ligação que ainda tinha à escola e esse foi o grande ponto de partida”.

Na faculdade encontrou a boa vontade para conseguir o “material antigo” de que precisava, encontrou os actores, como toda a equipa técnica, colegas que como ele “tinham acabado a escola há pouco tempo e então ainda podiam ajudar”.

“Verão Danado”, que com todas as fragilidades de produção acabou por ser rodado em 39 dias em Lisboa mais quatro no Entroncamento, com os avós de Pedro, os únicos não-actores do filme.

Para Pedro Bandeira, este filme “não é autobriográfico meu porque eu não sou o Chico [o protagonista, interpretado por Pedro Marujo] nem o Chico é um alter-ego, vejo-o um bocado como um amigo, mas é sobre coisas que sentimos e pelas quais passámos. Se nós estávamos a passar por aquilo, muita gente passou também, vai haver sempre coisas em comum”.

O seu próximo filme será rodado no Entroncamento, onde viveu até se mudar para Lisboa para estudar Cinema. “Essa capacidade de identificação era o objetivo do filme. E o que começo a achar é que criamos acima de tudo identificação com aquilo que nos parece real. Cada vez acho mais que o cinema é para abrir portas para coisas que o resto não abre, é a possibilidade de explorar sensações numa espécie de zona de conforto”.

Depois de ter estreado e ganho o galardão de Cineasta do Presente, "Verão Danado" ainda não tem data de estreia em Portugal. Sobre o próximo filme, não temos mais informações.